Castelo de Leiria está mais inclusivo e atrativo

Leiria
R. Manuel António Rodrigues

Information

Valorização do património, maior inclusão e mais atratividade turística foram os objetivos apontados pelo Presidente da Câmara Municipal sobre a intervenção já concluída no Castelo de Leiria. 

Para Gonçalo Lopes (Presidente da Câmara), a obra “tem preocupações de valorização do património e de mudança de paradigma das visitas ao Castelo, já que há uma forte aposta nas acessibilidades e no conforto para vivenciar o espaço em termos culturais e artísticos”.

Acompanhado pela Diretora Regional de Cultura do Centro e pelos arquitetos responsáveis pelo projeto, o Presidente destacou a importância dos trabalhos agora concluídos, justificando que este é um “investimento estratégico para aquilo que é a nossa visão do futuro e, com esta obra, Leiria estará na linha da frente da recuperação [da pandemia].

Encontram-se também em fase de conclusão os acessos mecânicos ao Castelo, que permitirão a subida a pessoas de mobilidade reduzida, bem como uma maior aproximação entre a envolvente da cidade ao centro histórico, já que poderão ser utilizados gratuitamente e por moradores e pessoas que trabalhem naquela zona.

O autarca salientou a “democratização do acesso” ao interior das muralhas, o que “irá permitir receber turistas que antigamente não sentiam vontade de visitar este património porque era de difícil acesso”, para além do novo potencial cultural do espaço, com a criação de condições para a realização de um vasto conjunto de eventos nas mais diversas modalidades.

Para além do conjunto de trabalhos complementares de requalificação do Largo de São Pedro, da Torre Sineira, do Largo da Sé e do parque verde da encosta, Gonçalo Lopes anunciou o que designou de “Castelo 2.0”, projeto que prevê intervenção no Palácio, porque “há zonas do Castelo a precisarem de ser melhoradas” e “se não houver preocupações de conservação, ele irá ficando deteriorado e estamos a destruir aquilo que é a nossa identidade”.

Segundo a Diretora Regional de Cultura do Centro, Suzana Menezes, a requalificação do Castelo de Leiria “foi um processo desafiante e que nos orgulha profundamente”, pois este é um “exemplo do que se pode fazer para que efetivamente o património seja de todos e possa ser usufruído por qualquer pessoa”.

Encerrado ao público desde junho de 2019 e com abertura prevista para o próximo mês de maio, o Castelo sofreu uma intervenção que incluiu a requalificação da Casa do Guarda, dos celeiros medievais e da Igreja da Pena.

Os trabalhos arqueológicos foram acompanhados por Vânia Carvalho, arqueóloga municipal, para quem “a intervenção muda a perspetiva que temos de Leiria”, pois “há uma história nova para contar” na sequência das descobertas feitas, que “permitem recuar mais na história [cerca de cinco mil anos] e perceber que Leiria era muito mais relevante do que se pensava”.

A intervenção no Castelo teve um investimento de 2,6 milhões de euros (incluindo o Largo de São Pedro, que aguarda a consignação da obra), sendo financiada pelo PEDU – Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano e pelo Pacto de Desenvolvimento e Coesão Territorial em cerca de 2,2 milhões de euros.

As obras dos acessos mecânicos, no Largo da Sé e no parque verde da encosta terão igualmente apoio financeiro dos fundos comunitários, sendo que o investimento de todas as intervenções ascende aos seis milhões de euros.

To read

Published 06/04/2021

Map

CityOnline

Escolha o Idioma