0.0

A Igreja de Ribas integra o percurso turístico-cultural da Rota do Românico. A tradição atribui a fundação de um pequeno mosteiro em Ribas pela mão dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho. Teria cabido a D. João Peculiar, arcebispo de Braga, a proteção deste mosteiro, marcado pela presença do padre D. Mendo, cujo corpo providenciaria milagres muito depois do seu falecimento, em 1170, embora tal não tenha sido documentalmente provado. Devemos salientar a homogeneidade da Igreja de Ribas, que deve ter sido construída de uma só vez. A decoração mostra grande coerência na sua preferência pelo motivo de pérolas, que surge tanto no interior como no exterior da Igreja. No interior, à semelhança da maioria das igrejas românicas, prevalece outro espírito, marcado pela contrarreforma e pela renovação litúrgica após o Concílio de Trento. São exemplos a exuberância da talha nos retábulos [altares] e na sanefa que coroa e reveste o arco triunfal, os caixotões do teto e a balaustrada do coro. Do conjunto merece, ainda, destaque as imagens do Santíssimo Salvador, da Virgem do Vale e da Virgem do Rosário. Na parede fundeira da capela-mor, por detrás do retábulo-mor [altar principal], foi identificada uma importante campanha de pintura mural onde se faz representar o orago da Igreja.

Comentários

Já pensou onde quer ir na próxima viagem?.
Encontre aqui o Alojamento ideal para si!