9.6

Janeiro de Cima é uma aldeia pertencente ao concelho do Fundão, situada no centro de Portugal, junto às margens do bonito e sinuoso rio Zêzere, e inserida no projecto “Aldeias de Xisto” que pretende proteger, restaurar e difundir este Património Nacional.

Janeiro de Cima está, pois, situada numa região de grande beleza natural, por entre montes, pinhais, férteis vales e locais históricos, propícia para as mais diversas actividades turísticas, como facilmente se observa na sua bonita Praia Fluvial.

A arquitectura tradicional de Janeiro de Cima denota a proximidade e influência do rio Zêzere. Algumas das casas têm as paredes construídas com grandes pedras extraídas do Zêzere, sendo os intervalos preenchidos com barro e pedaços de xisto, apelidados de “lasquinhas”, que formam engraçados motivos geométricos.

Diz-se que o topónimo deriva de um Senhor, provavelmente do século XVI ou XVII, dono de muitas terras e bens nas duas margens do Zêzere. Ao morrer, legou aos seus filhos, ambos de nome Januário, as suas terras. A uma, as terras na margem direita do rio, e a outro as da margem esquerda.
Com o passar dos tempos e das organizações administrativas do território, as duas aldeias passaram para diferentes municípios: Janeiro de Cima pertencente ao município do Fundão e Janeiro de Baixo a Pampilhosa da Serra.

Em comunhão com a natureza e as raízes familiares, Janeiro de Cima enche-se de gente aos fins-de-semana e nas férias. No verão, fazem-se piqueniques no pinhal ou aproveita-se a frescura da água no Parque Fluvial. Aqui as tradições revivem-se em saberes e artes que nunca se esquecem e que renascem pelas mãos dos dias presentes.
À beira do Zêzere grita-se “Ó da barca!” para fazer a travessia do rio. Era assim que antigamente se uniam as gentes e o comércio das duas margens e hoje é ainda possível fazê-lo num passeio rio acima. Na Casa das Tecedeiras ouve-se a orquestra dos teares do linho em sinfonia de fios de cor. Nos muros e paredes, entre o xisto castanho, sobressaem alvos seixos rolados que são a impressão digital desta Aldeia. Ao Sol do fim da tarde esta arquitetura singular feita de pedras do rio confere uma tonalidade avermelhada, única, às paredes das casas. Aproveite para descobrir parte do traçado da Grande Rota do Zêzere – GR33.



Comentários

Já pensou onde quer ir na próxima viagem?.
Encontre aqui o Alojamento ideal para si!