Serra do Caldeirão

6.6

A Serra do Caldeirão situa-se na fronteira entre o litoral e barrocal Algarvios e a planícies do Baixo Alentejo.

Esta é uma Serra de baixa altitude, atingindo o seu pico nos 580 metros no Baixo Alentejo, já próximo da fronteira com a região Algarvia, não obstante, apresenta paisagens de grande beleza natural, com o terreno muito acidentado, e é dona de um importante e interessante património natural, humano e arquitectónico, para além de albergar nos seus domínios diversas espécies de fauna e flora.

A sua influência climática é muito forte, constituindo uma barreira física à passagem dos ventos frios do Norte, contribuindo assim para o célebre clima mediterrânico do litoral Algarvio, de fracas precipitações anuais e temperaturas suaves no Inverno.

O clima influencia, claro está, a vegetação da Serra do Caldeirão, que se distingue nas regiões mais ocidentais pela predominância de sobreiros, carvalho-cerquinho e medronheiros, e nas proximidades do lindíssimo Vale do Guadiana pela predominância da azinheira e do sobreiro.
Ao longo dos séculos a paisagem foi sendo alterada, passando das florestas naturais para o aproveitamento agrícola e pecuário.

A Fauna da Serra foi também muito alterada ao longo do tempo, sendo difícil encontrar hoje em dia espécies outrora típicas destas paragens como o lince e o lobo-ibérico, a lontra ou a águia-imperial-ibérica. Encontram-se outras espécies como o veado, o javali, o coelho, a lebre, o bufo-real ou a águia-de-bonneli, entre outras.

A ocupação humana da Serra remonta a tempos antigos, nomeadamente ao período Neolítico, existindo diversos vestígios pré-históricos e megalíticos. Aqui ocorreu também muita exploração mineira desde tempos antigos, existindo vestígios de minas em bom estado no concelho de Alcoutim.
Posteriormente, a ocupação Mourisca deixou fortes influências neste território sulista, alterando mesmo a paisagem e modo de vida, com a inserção de novas culturas, como a laranjeira ou a lindíssima amendoeira, que promove panoramas sem igual quando em flor.

O casario típico desta região serrana é feito de pedra, caiado de branco, com telhado de cana.
Encontram-se pelo território diversos legados patrimoniais rurais de outros tempos, de grande interesse, como azenhas, levadas, açudes, palheiros, moinhos de ventos ou fornos, símbolos de outros tempos ainda tão recentes.

Comentários

Já pensou onde quer ir na próxima viagem?.
Encontre aqui o Alojamento ideal para si!