8.9

Santarém situa-se em pleno Ribatejo, no centro do País, e é das cidades mais antigas e históricas de Portugal, sede de concelho e de distrito.
A fundação da cidade de Santarém tem origens míticas, reportando à mitologia greco-romana e cristã. Os primeiros vestígios documentados da ocupação humana remontam ao século VIII a.C.. Em 138 a.C. chegaram os romanos ao antigo povoado, designando-o como “Scallabis”, tornando-se neste período no principal entreposto comercial do médio Tejo e num dos mais importantes centros administrativos da província Lusitânia.
Santarém conta igualmente com uma forte herança do período de ocupação árabe, que desenvolveu a importância militar, cultural e artística da já importante localidade.
Marco importante nas Reconquistas cristãs que definiram o território Português, Santarém foi então reconquistada em 1147 pelo primeiro Rei, D. Afonso Henriques.
Ao longo dos séculos Santarém desenvolveu o seu cariz político, cultural e artístico, tendo sido palco de variadas Cortes reais, onde se tomaram importantes decisões para o País, e local de música, teatro e artes.

Santarém é dona de um património riquíssimo, muitas vezes conhecida pela “Capital do Gótico”, pelos muitos monumentos que aqui se ergueram dedicados a este estilo arquitectónico e artístico, alguns já desaparecidos (como no terramoto de 1755, que destruiu tanto da cidade) ou alterados.
O seu fervor religioso é visível por toda a cidade, nas Igrejas de Nossa Senhora da Piedade,
Marvila, Santa Clara, Santíssimo Milagre, Misericórdia, Jesus Cristo, Seminário, Santa Cruz, Santa Iria, São João de Alporão (com o Museu Arqueológico), Santo Estevão, São Nicolau, na famosa e inigualável Igreja da Graça, no Convento de São Francisco ou Capela de Nossa Senhora do Monte.

O Centro Histórico de Santarém é constituído por uma agradável teia de ruas estreitas e sinuosas, com linhas e cores inesperadas, onde a história parece estar presente a cada esquina, permitindo agradáveis passeios, hoje cortados ao trânsito, polvilhadas de pequenas lojas de comércio local.
As Portas do Sol, o mais famoso e notável Miradouro da cidade, onde ainda se preserva parte das muralhas defensivas da cidade, é também um agradável espaço ajardinado, paragem obrigatória de qualquer passeio por terras ribatejanas, com uma vista magnífica sobre o Rio Tejo e toda a sua envolvente.

A gastronomia desta região Ribatejana é bem afamada, e presente em diversos restaurantes por todo o concelho, e anualmente aqui se realiza o grande Festival de Gastronomia, a principal mostra gastronómica do País, na segunda quinzena de Outubro, realizando-se igualmente a Feira Nacional de Agricultura, na primeira semana de Junho.

Comentários

Já pensou onde quer ir na próxima viagem?.
Encontre aqui o Alojamento ideal para si!